You are currently viewing Sustentabilidade emocional: o que é e como implantar na sua empresa

Sustentabilidade emocional: o que é e como implantar na sua empresa

Em um mundo no qual 700 milhões de pessoas sofrem de algum transtorno mental ou de, problemas psicossociais, como os relacionados com o abuso de álcool e drogas, precisamos falar sobre Sustentabilidade Emocional.

Muitas empresas estão buscando entender como implementar a sustentabilidade emocional em suas equipes por conta do aumento nos índices de Burnout, afastamento, acidade de trabalho, que estão comprometendo diversas capacidades cognitivas de nossas equipes como memória, atenção e foco.

Fonte: Gov.br

O que é Sustenbilidade Emocional?

Sustentabilidade emocional é buscar os recursos internos para conseguir equilibrar a saúde mental e as emoções nas mais variadas situações da vida pessoal e profissional.

A sustentabilidade emocional também está relacionada à maturidade que nós temos com nossos sentimentos e emoções. Quanto menos maduros emocionalmente nós somos, mais nós tendemos a responsabilizar o outro sobre os nossos próprios equívocos e ações. Por outro lado, quanto mais maturidade desenvolvemos, mais conseguimos construir relações e conexões genuínas com as pessoas.

Focar no desenvolvimento e trabalhar na maturidade, até porque o mundo tá mudando, a maneira de se trabalhar está mudando. precisamos nos adaptar a isso. estamos querendo voltar ao que era antes, mesmo sem estar preparados. é preciso falar sobre sustentabilidade emocional.

  • Buscar os recursos internos para direcionar e gerenciar as relações no trabalho e na vida
  • Desenvolver a habilidade de se autoconhecer, compreender e identificar quais emoções são produzidas em cada aspecto de nossa vida
  • Estabelecer métodos saudáveis e projetos educacionais estruturais no trabalho que possam assegurar a produtividade sem que isso afete a saúde mental das pessoas
  • Garantir habilidades e ferramentas emocionais a partir de recursos internos para lidar com o estresse, ansiedade e burnout
  • Aprender a viver em harmonia com nossas emoções positivas ou negativas
  • Melhora no clima organizacional e aumento dos índices de satisfação do colaborador
  • Mais assertividade nas decisões e produtividade de entregas
  • Redução do turnover e da rotatividade das pessoas na equipe
  • Crescimento da qualidade do trabalho, geração de resultados e satisfação de clientes

A má saúde mental pode ter um grande impacto sobre os indivíduos, empregadores e sociedades, ainda mais agravados durante a pandemia.

A expansão desses problemas já está nos levando, inclusive, à 4ª onda da pandemia que é gerada a partir do acúmulo de diversos traumas psicológicos e transtornos mentais adquiridos nos últimos meses seja por conta da solidão, do medo de perder o emprego ou pela dor do luto.

Segundo a Associação Brasileira de Psquiatria, 83% dos profissionais do setor que atuam no estado de São Paulo perceberam piora na saúde mental, mesmo de pacientes estáveis, enquanto 67% deles receberam novos pacientes durante a pandemia.

A pior parte é que por muito tempo as empresas negligenciaram falar sobre este assunto tão importante e ainda hoje 53% das empresas não incentivam práticas para aliviar o estresse.

O resultado é um quadro gravíssimo de desestabilidade emocional dos brasileiros, que grande parte estão no mercado de trabalho e fazem parte do quadro de funcionários das empresas:

  • 75% dos brasileiros sofrendo com estresse no trabalho
  • 44% dos mais de 100 milhões de trabalhadores sofrendo de Burnout
  • 12% dos brasileiros sofrendo com depressão – o que nos leva a ter uma taxa de 5,8% de pessoas com a doença, que é maior que a média mundial de 4,4%, segundo a OMS

Diante de um problema tão grave quanto à falta de sustentabilidade emocional de nossos colaboradores, é preciso ir muito mais além do que os programas pontuais de feedback, incentivos como ginástica laboral e premiações por desempenho.

Afinal, como podemos efetivamente garantir que alguém está feliz no trabalho e manter sua sustentabilidade emocional em dia?

As melhores práticas de saúde mental no local de trabalho devem ser integradas a todos os elementos do modelo operacional de uma empresa, incluindo sua cultura organizacional. Há muitas oportunidades e possibilidades para construir uma estratégia eficiente que possa gerar resultados sólidos, como por exemplo:

  • Criar um modelo de pesquisa de saúde mental no local de trabalho recorrente, que seja capaz de mapear o estado mental das equipes. Alguns exemplos de modelo de pesquisa: Surveymonkey, QuestionPro e Pulse.
  • Estabelecer processos e métodos capazes de garantir mais flexibilidade nos horários de trabalho (com carga horária justa), além de estimular a comunicação aberta entre equipe e gestão.
  • Preparar os líderes para que possam estabelecer relações verdadeiras e confiáveis com seus liderados, além de ensinar a eles como identificar problemas de saúde mental e como agir em casos críticos.
  • Elaborar um plano de gestão de saúde e de segurança ocupacional que consiga criar consciência dos fatores de riscos e as potenciais consequências, identificar quem pode estar em risco, determinar se as medidas de controle existentes são adequadas ou se algo mais deve ser feito, para prevenir outras doenças e a hierarquizar, priorizar riscos e definir medidas de controle.
  • Criar um departamento ou designar um responsável por acompanhar a saúde mental dos colaboradores e os indicadores de felicidade, como um Chief Happiness Officer, por exemplo.

Exemplo de sintomas de instabilidade emocional

Leia também:

O que a pandemia nos ensinou sobre o que realmente importa no trabalho

Índice de felicidade no trabalho: o que é e como medir em sua empresa

10 formas de ter uma conversa melhor

Deixe um comentário